sábado, 12 de março de 2011

SEBASTIAO NERY

Entrevista da SEBATIÃO A JORNALISTA DO JORNAL à TARDE:


“Antonio Carlos Magalhães foi um tenente de 1964”


Em 1967, depois de assumir a Prefeitura de Salvador,  Antonio Carlos Magalhães viajou para o Rio de Janeiro. Hospedou-se no Hotel Califórnia. Em visita ao político baiano, o jornalista Sebastião Nery ouviu uma ousada previsão: “Juracy Magalhães mandou na Bahia 30 anos. Eu vou mandar 40” . Exatamente 40 anos depois, Nery avalia o legado político de ACM, comparando-o aos revolucionários de 30, que  também implantaram um projeto de Estado depois da mudança de regime. “A presença de Antonio Carlos ainda vai durar algum tempo”, acredita. 

Colunista político da Tribuna da Imprensa desde 1968, a convite de Helio Fernandes, Nery  está há 53 anos no jornalismo.  De humor afiado, é autor de Folclore Político, um clássico da literatura política brasileira. 

Ex-deputado federal, ele avalia a crise do Congresso Nacional e defende uma reforma política que acabe com o voto proporcional:  “A única reforma possível para construir os partidos é o voto distrital”. Para ele, o Congresso virou uma feira de negócios e não uma representação nacional.  Em recente passagem por Salvador, concedeu uma entrevista ao repórter Claudio Leal. 

Usando a memória como arma, analisa  a trajetória de ACM, a sucessão política na Bahia, o declínio das escolas de formação dos políticos brasileiros e ainda guarda ironias ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vaiado na abertura dos jogos Pan-americanos, no dia 13 de julho, no Maracanã.

 
A TARDE - Como o senhor  define a personalidade política de Antonio Carlos Magalhães?
Sebastião Nery - Antonio Carlos não foi um caudilho. Era um fazendeiro. Os caudilhos são estéreis, não deixam herdeiros. Veja  Getúlio Vargas e Leonel Brizola: deixaram nome, imagem histórica, mas não herdeiros. Já o fazendeiro Antonio Carlos  tinha seus vaqueiros.  Preparou seus administradores. O vaqueiro é  aquele  toca seus projetos políticos:  Paulo Souto, Waldeck Ornellas, Mário Kertész, Antonio Imbassahy. Brizola deixou apenas um vereador – seu neto, no Rio. Brilhante vereador, mas só foi ele. A presença de Antonio Carlos ainda vai durar algum tempo. É uma ilusão achar que acabou. Vamos tirar isso a limpo nas urnas.  E ver quem vai herdar seus votos –  se Jaques Wagner, Geddel ou Paulo Souto.
AT | Mas o estilo político de ACM ainda terá seguidores?
SN - O estilo é diferente. Ele não tinha feito essa história se não fosse uma ditadura. Antonio Carlos foi um tenente de 1964. E o que eram os tenentes de 30? Jovens que fizeram uma luta política, ganharam a revolução e implantaram um projeto de Estado. Antonio Carlos não esperava o golpe. Quando veio, procurou adaptar-se. Teve essa capacidade política. Com todo o talento que tiveram, em 30, Juarez Távora, Juracy Magalhães  e Cordeiro de Farias. Há um erro que se comete na análise da vida dele. Não bastava ser o fazendeiro que foi, com a energia, os gritos e as brigas. Ele teve uma visão do futuro da Bahia. Coisa objetiva: Antonio Carlos tomou de Pernambuco a liderança política e econômica do Nordeste.  Foi o maior líder da Bahia nos últimos 50 anos. Antes de 64, os protagonistas eram os pernambucanos Agamenon Magalhães, Etelvino Lins, Barbosa Lima, Miguel Arraes.

AT | Por que ele perdeu poder?
SN - Por cansaço da população e problemas de liderança. Só imaginava que Paulo Souto seria o governador. Vetou a candidatura de Imbassahy ao Senado. Um amigo, jornalista, perguntou a ele: "Senador, por que o senhor vetou Imbassahy?". Respondeu:  “Porque enquanto eu for vivo quem indica o governador da Bahia sou eu. Se ele se eleger senador, daqui a quatro anos vai querer impor sua candidatura a governador. E não sei se vai ser esse meu projeto". Então perdeu tudo porque impôs como senador Rodolpho Tourinho, que entende tanto de voto quanto eu de energia atômica.


AT | O  principal herdeiro político não vai ser Geddel Vieira Lima, que é um adversário recente?
SN - O que é uma contradição absoluta. Mas também não acredito no Jaques Wagner. Ele é agradável, simpático, mas foi o único ministro do Trabalho, no Brasil, substituído por incompatibilidade vernacular! E o trabalho? Sem a Academia de Letras pedir, Lula o transferiu para o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Nem o conselho, nem a economia, nem o social se desenvolveram. Só Wagner se desenvolveu. Veio para a Bahia e virou governador.

AT | Há pouco, o senhor falou numa geração de políticos que tinha um preparo. Por que caiu o nível do nosso  político médio?
SN - O problema é o capitalismo brasileiro. Ficou mais poderoso e o empresariado resolveu comprar o Congresso. Atrás de cada senador, há uma empreiteira. Atrás de cada deputado, há um banco. Olhe quem o Itaú e o Bradesco financiaram. Eles têm no governo quem os defenda, mas precisam dos congressistas para aprovar projetos.
AT | Onde o senhor indentifica o centro da crise do Congresso?
SN - Ou o Brasil faz uma reforma política, ou o Congresso brasileiro entra numa absoluta inviabilidade. Hoje você não tem mais deputado. Você tem micros, pequenos e médios empresários, que empresariam sua vida política, compram um mandato. Esses empresários particulares, que são os deputados, deviam se inscrever no Sebrae. E pagar imposto de renda pelo Simples... O Congresso é uma grande feira de Caruaru. Não há líder de partido que lidere dez pessoas. Porque, na verdade, não são líderes, são grupos. Grupos que se administram, politicamente, a partir da administração de interesses. Resumindo, o Congresso é uma federação de negócios e não uma representação nacional. Ou se faz a reforma política, a reforma partidária, a reforma eleitoral, ou vai chegar uma hora em que o presidente da República não vai conseguir aprovar nada no Congresso sem comprar.

AT | Concorda com o diagnóstico de que o Congresso foi degradado no regime militar?
SN - Um pouco. Na  verdade, o maior crime político dos militares foi cortar as escolas políticas do País. A  Une (União Nacional dos Estudantes) era uma grande escola. Virou um escritório eleitoral do PCdoB. A Une hoje tinha que ser presidida  por um João Amazonas. Mas não tem só isso. Cortaram a escola de política que era a Igreja Católica. Foi jogada num combate às torturas. Para completar, o fechamento dos partidos políticos. Eles representavam um mapa nacional. A UDN (União Democrática Nacional) mais urbana, o PSD (Partido Social Democrático) mais agrícola e o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) mais povão. Fecharam tudo.  Perdemos a formação dos políticos brasileiros.

AT | E nota-se,  no processo de Renan Calheiros, uma indiferença à opinião pública.
SN -  Porque as fontes de votos  não são a opinião pública. Ninguém ali é senador pela opinião pública, mas por um grupo empresarial financiador.  A Câmara é pior ainda, porque os grupos são menores e os interesses mais mofinos. Tem que fazer a reforma dos partidos. Mas a base de tudo é:  o País precisa resolver o problema do voto proporcional, que é um voto comprado, de mascate.

AT | Qual a melhor proposta de reforma política?
SN - A única possível para construir os partidos é o voto distrital. Me diga uma coisa: o  voto inglês é distrital, o inglês, o espanhol, o italiano, o belga, o alemão... Quer dizer, todos são débeis mentais, só os brasileiros são uns gênios! O voto proporcional existe porque é o voto da compra. Aí, você diz: faz o voto distrital e o deputado vira vereador. Nada.  Ele vai ter que representar, ao menos,  sua cidade ou seu distrito. Será mais fiscalizado.  Cada partido vai ter que lançar o melhor candidato.

AT | O esvaziamento da  esquerda não é outra crise a ser pensada?
SN - O grande golpe da esquerda foi a queda do Muro de Berlim e o estouro da União Soviética. A maioria da opinião pública  concluiu que a esquerda estava errada. Por outro lado, houve uma cooptação claríssima da esquerda. Não há maior processo de cooptação de um partido, na América Latina, do que o PT. O PT é tão à direita quanto  o PSDB. Qual é a diferença? Não tem nada mais de  esquerda. Querem pegar um naco do poder.

AT | A política econômica diminuiu o poço entre PSDB e PT?
SN - A política econômica não é do governo. É do Fundo Monetário e do Banco Mundial, representados, no Brasil, pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (na realidade, ministro da Fazenda). Ele dá as linhas da política econômica do governo. Guido Mantega não é um ”mantega”, é uma margarina. Não decide nada. Quem decide é o Meirelles. E Meirelles fala pelo Banco Mundial. Com a política de juros altos, Lula comprou o sistema financeiro. E o sistema financeiro é a maior influência da imprensa do Rio e São Paulo, sem falar da verba de propaganda. Com o sistema financeiro, o sistema de comunicações e os miseráveis do Bolsa Família – a quem dá dinheiro, e tem que dar mesmo – ele fecha os 60% do apoio que tem.

AT | Houve uma divisão social do voto em 2006?
SN - Qual é a diferença da comunicação de Jaguaquara para o eleitor de Salvador? A televisão levou  a política para o interior.  O que Lula conseguiu foi uma comunicação mais direta do que os outros presidentes tinham. Faz mais viagens e mais discursos. O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) é  um projeto de comunicação. Há 42 PACs? Ele faz 42 comícios.

AT | Quem vaiou Lula na abertura dos jogos pan-americanos?
SN - Quando Lula apareceu em público para ser vaiado ou não ser vaiado? Nunca. Ele pega uma favela do buraco livre, com o prefeito e o governador. Todo mundo de bandeirinha... Mas o povo não é bobo. Está ali como cliente. Repetindo Lula: “Estou convencido que nunca antes na história deste país” um presidente da República foi vaiado seis vezes em seis minutos. É um recorde mundial! Tem que receber seis medalhas de ouro do Pan.  Aí dizem: o César Maia comandou. O César deu apenas 12% de votos para a candidata dele à prefeitura. E não era classe alta coisa nenhuma. A maioria dos convites era de 20 reais. Voluntários estavam lá arranjando um bico. O Maracanã ainda não tinha tido uma chance de vaiar o Lula. 

AT | Começou a escrever seu livro de memórias?

SN - Vou anunciar dois livros. Mas que publicarei no ano que vem. Meus livros demoram muito de maturar porque pesquiso. Quando sento no computador, fico possesso. Tenho um livro, primeiro volume de dois, que vai se chamar “Histórias de Viagens”, sobre minha experiência política. O primeiro volume será “Do Seminário a Moscou”.

AT | Vai entrar a criação do Jornal da Semana, de  oposição ao segundo governo de Juracy?
SN - No segundo volume, vem Jornal da Bahia, A TARDE, o meu Jornal da Semana, o golpe e a ida para o Rio. Há outro livro que vou fazer: “Meu amigo santo”. É sobre Frei Pio. Não é todo mundo que tem um amigo que vira santo. Na minha  Jaguaquara, os  frades  me falavam dele.  Em 1958, fui à cidade de San Giovanni Rotondo, na Itália, onde morava Frei Pio de Pietrelcina, que tinha uma chaga nas mãos. Pronto, são esses. Olha lá, hein? Cuidado com esta entrevista. Sabe a história de Assis Chateaubriand?  Uma vez eu o entrevistei para o Jornal da Bahia. Foi muito atencioso. No jornal, escrevi o texto e fui embora. Depois, quando levei a edição para Chatô, notei que metade da entrevista foi cortada, para entrar um anúncio. Gelei. Minha sorte foi que, assim que me viu, no Hotel da Bahia, ele gritou: “O fotógrafo! O fotógrafo! Cadê ele? Foi a melhor foto que já tiraram de mim!”.

AT | Não ligou para o corte?

SN -  Pedi desculpas. Ele então me disse, com aquela voz potente: “Meu filho, eu sou dono de jornais. A notícia foi criada para separar os anúncios. Além do mais, uma página de texto não vale um centímetro de foto”.. E pediu cem cópias ao fotógrafo. Para distribuir.

sexta-feira, 11 de março de 2011

SHOPP.PARALELA PROMOVE EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA DOS MELHORES MOMENTOS DO PARALELA FOLIA




(Imagens: Ricardo Prado)

Os muitos momentos de alegria e descontração do baile infantil da criançada no Shopping Paralela, o Paralela Folia, ocorrido durante os seis dias de festa momesca em Salvador, foram eternizados pelas lentes do renomado fotógrafo Ricardo Prado e ganharão exposição, de 12 a 20 de março, na Praça de Eventos do shopping, piso L1.

A segunda edição do Paralela Folia atraiu diariamente milhares de crianças e se consolida como um espaço de diversão para os foliões mirins durante o Carnaval, onde elas podem, com conforto e segurança, brincar, dançar e pular com uma programação super animada.

Além de ver as mais de 200 fotos, será possível conferir os melhores momentos da festa em um vídeo que será exibido no local. A exposição poderá ser vista gratuitamente e seguirá o horário de funcionamento do Shopping Paralela.

Sobre Ricardo Prado


Mineiro, Ricardo Prado vive em Salvador desde 1989, é formado em Publicidade e Propaganda, pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL), e atua em fotojornalismo, publicidade e foto documentário. Já realizou exposições coletivas e individuais. Tem trabalhos publicados em revistas nacionais como Isto É, Giro e Aventura, Elle, Vogue, Fast life, Go Where e Boa forma; e em jornais locais e nacionais como O Globo, Folha de São Paulo, Estadão, A Tarde e Correio; além do livro Bahia Life.

BAILE INFANTIL - AMIGOS DO TONY

 
 BAILE INFANTIL CRIANÇAS CARENTE DO BAIRRO JAQUEIRA DO CARNEIRO.
 



Fotos no muraldebugarin.com

quarta-feira, 9 de março de 2011

JABUTIS VAGAROSOS, DOAÇÃO DE LIVROS

JABUTIS VAGAROSOS, DOAÇÃO DE LIVROS


Valci barreto
Bikebook.blogspot.com
Muraldebugarin.com


Aos amigos pedalantes,

Como todos que acompanham o movimento ciclístico baiano e nossos blogs, estimulamos o uso da bicicleta como tranporte, esporte e lazer. E entre nossas ação está o estimulo à leitura, educação para o transito e doação de livros usados.

Fomos procurados pelo Jornal À Tarde para uma reportagem a respeito do que fazemos , do destino que damos e do  que recomendamos façam as pessoas para não jogarem livros nem revistas usadas no lixo.

Para a matéria, combinamos um pequeno passeio em que levaremos livros e revistas usadas para a Biblioteca do Calabar.

Assim , cada um que puder e quiser participar, estamos aguardando , a partir das 9.00 , saindo da Ciclovia da Centenário.

Pedimos que tragam uma revista, um livro, em sua mochila, bagageiro, ou pedurado no guidom da sua bicicleta , para fazermos a doação.

Quem não quiser ou não puder trazer livros, mesmo assim está  convidado. Após a entrega  , na Biblioteca do Calabar, faremos uma pequena e rápida reunião para decidirmos se continaremos e como , o passeio.

Recomendamos sempre às pessoas que queiram participar, que não gritem , não buzinem, não façam zig zag, que dirijam com respeito às leis de transito e que, se houver algum pedestre na ciclovia, mesmo estando em local errado o pedestre, tenhamos a paciência de esperar que ele siga seu caminho.

Estaremos aguardando  todos em frente ao Bom Preço, a partir das 8.40. Pedimos paciência e tolerância por eventual atraso da equipe de A tarde, pois jornal  tem ações que muitas vezes fogem à rigorosidade da programação. Mas não creio que seja ultrapassado o horário de 9.30 para a saída. Enquanto a equipe de reportagem não chegar, agardaremos fazendo um passeio , sempre cortez, , educado e respeitoso na ciclovia que, nas manhas de sábado, lamentavelmente é muito ocupada por pedestres. Infelizmente, enquanto as pessoas não forem educadas para as regras simples de convivência, de respeito aos sinais de transito, vamos tentando conviver da melhor forma, sempre com o não para a violência e falta de respeito.

Não podemos garantir, mas há possibilidade da presença da bela atriz , modelo , artista plástica , Luciana Figueirado ,pedalando conosco.

A garatia que já temos é de Valci, Itana, Bugarin, Lázaro. Gilson Cunha poderá comparecer também. Com a publicação desta nota, é provável que mais pessoas adiram. Todos estão convidados. O ritimo será Jabuti.
Pedimos aos que não tenham bom humor, aos apressadinhos , à turma do "vamo logo" não comparecer. O jabuti é so algria, educação, respeito e nenhum grito,barulho, pressa , estress, nem buzinadas.

Qualquer duvida, passar e mail para

Alberto.bugarin@gmail.com que atenderemos com todo o prazer.

GILSON CUNHA, NOSSOS PARABENS

Apoiando todas as ações que envolvem o uso da bicicleta como esporte, lazer e meio de transporte, parabenizamos Gilson pelo seu trabalho na divulação das nossas magrelas no carnaval . A foto do Governador Jackson Wagner, montando na triciclo equipado com um mini trio , terá um grande impacto na divulgaçao das nossas ações cicloativistas, ainda mais que a foto foi publicada pela e no site da Secertaria de Comunicação do Estado da Bahia, o que resulta em milhões de pessoas tomando conhecimento das ações cicloativistas baianas e da simpatia que o Governador   tem para com a bicicleta.

Todos lucramos com o simbolismo do simpático gesto do Governador Jackson Wagner.

FOLHA DO RECÔNCAVO ENTREVISTA OS MÚSICOS BRUNO NUNES,ARTISTA PLASTICA E ATRIZ, LUCIANA FIGUEIREDO E DELMAR BROWN

Varanda do Luciano , na Folha do Reconcavo

Carlinhos Brown na Timbalada - Carnaval Salvador 2011

Bloco Crocodilo e Daniela Mercury - Carnaval Salvador 2011

Bloco e Banda Asa de Águia com Durval Lélis e Edinho - Carnaval Salvador...

Bloco e Banda Cheiro de Amor - Aline Rosa - Carnaval Salvador2011

Jorge e Matheus (dupla Sertaneja) - Carnaval Salvador 2011

Bruno Nunes fala para Itana Mangieri, Folha do Reconcavo.

Bruno Nunes, um dos grandes músicos da Bahia, cantor, compositor, artista plastivo, stivista, fala para www.folhadoreconcavo.com.br, entrevistada por Itana Mangieri

terça-feira, 8 de março de 2011

PASSEIO DE BICICLETA NO CARNAVAL

Vários compromisos impediram-me de combinar um passeio ciclistico com amigos. Por isto, na hora que foi-me possivel, peguei minha bike e fiz este passeio solitário. Prretende o vídeo  demonstrar que se pode curtir Salvador em bicicleta , nas manhãs de carnval, quando as ruas ficam totalmente livres de carros. Há também poucas pessoas circulando ,favorecendo  um delicioso passeio. Nossos videos, blogs e textos visam estimular o uso da bicicleta como esporte, lazer e meio de transportem, cicloturismo como este do vídeo. Há grupos em Salvdor, como o organizado pelo professor de bicicleta, Lazaro, que realiza o bikefolia, que é um passeio em bicicleta, realizado nas manhas de carnaval.

 Parabens ao Hotel Monte Pascoal/SBT, pelo excepcional serviço oferecido em seus camarotes.

8 DE MARÇO - DIA DA MULHER

MURAL DE BUGARIN, BIKEBOOK, JABUTIS VAGAROSOS,
JORNAL FOLHA DO RECÔNCAVO E REVISTA LEIA BAHIA
HOMENAGEIAM TODAS AS MULHERES !!!

Dia Internacional da Mulher

Parabéns a todas as mulheres pelo seu dia ciclistas ou não.

Parabéns a Tiago Bugarin  ( administrador do blog ) por completar mais um ciclo de vida, saúde e paz o resto vc corre atraz.

smiley

Postado por Bugarin

domingo, 6 de março de 2011

Jammil - Carnaval de Salvador 2011 - Camarote SBT Folia

Chiclete com Banana - Carnaval de Salvador 2011 - Camarote SBT Folia

Jornal Folha do Recôncavo - Carnaval de Salvador 2011 no Camarote do SBT...



JORNAL FOLHA DO RECÔNCAVO, REVISTA LEIA BAHIA, MURAL DE BURARIN E JABUTIS VAGAROSOS PRESTIGIANDO O CARNAVAL DE SALVADOR 2011 NO CAMAROTE SBT FOLIA.

Bike Folia!

Olá,

 Pessoal veja as fotos no muraldebugarin.com do 1º dia de desfile do bloco Bike Folia, sexta- feira de carnaval com a presença do Governador do Estado da Bahia Jaques Wagner. Pedalando o TRIO CICLO " bicicleta sonorizada, com gerador próprio. 

Atenciosamente,

Gilson Cunha
9982-7014 / 3356-2548



Postado por Bugarin